DEVE-SE PREVENIR A ARTÉRIO ESCLEROSE

CRESCENDO

25 de outubro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A CAUSA BÁSICA DE SOBREPESO E OBESIDADE É UM DESEQUILÍBRIO ENERGÉTICO ENTRE AS CALORIAS CONSUMIDAS E AS CALORIAS GASTAS

E EM PAÍSES DE BAIXA RENDA A DESNUTRIÇÃO E O SOBREPESO E A OBESIDADE CONVIVEM LADO A LADO.

A causa básica de sobrepeso e obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) é um desequilíbrio energético entre as calorias consumidas e as calorias gastas. No mundo, ocorre um aumento da ingestão de energia através de alimentos que são ricos em gorduras, sal e açúcares, mas pobres em vitaminas, minerais e outros micronutrientes, e uma diminuição da atividade física como um resultado de natureza cada vez mais sedentária de muitas formas de trabalho, novos modos de viajar e crescente urbanização. Muitas vezes, mudanças nos hábitos alimentares e atividade física são o resultado de mudanças ambientais e sociais associados com o desenvolvimento e a falta de políticas de apoio em setores como saúde, agricultura, transporte, planejamento urbano, meio ambiente, transformação, distribuição, a comercialização de alimentos e educação. Quais são as conseqüências comuns de sobrepeso e obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral)para a saúde?
Um índice de massa corporal (IMC) elevado é fator de risco importante para doenças não transmissíveis, tais como: doenças cardiovasculares (principalmente doenças cardíacas e acidente vascular cerebral), que em 2008 foram a principal causa de morte; diabetes; lesões músculo-esqueléticas (especialmente a osteoartrite, uma doença articular degenerativa muito incapacitante), e alguns cânceres como o de mama, endométrio e cólon. O risco de doenças não transmissíveis aumenta com o aumento do índice de massa corporal (IMC). A obesidade infantil está associada a uma maior probabilidade de obesidade, morte prematura e incapacidade na vida adulta. Além desses riscos futuros grandes, as crianças obesas sofrem de angústia respiratória, aumento do risco de fraturas e hipertensão, e têm marcadores precoces de doenças cardiovasculares, resistência à insulina e efeitos psicológicos.
Muitos países de renda média estão atualmente enfrentando uma "dupla carga" da doença. Enquanto ainda lidam com os problemas de doenças infecciosas e desnutrição, estes países estão experimentando um forte aumento nos fatores de risco de doenças não transmissíveis, como obesidade e sobrepeso (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral), especialmente em ambientes urbanos. Não é raro encontrar desnutrição e obesidade coexistindo em um país, uma comunidade ou uma casa.
Em países de renda baixa e média as crianças são mais propensos a receber alimentos insuficientes no período pré-natal, quando lactentes e quando crianças pequenas. Ao mesmo tempo, estão expostos a energia de alimentos ricos em gorduras, açúcares e sal e pobres em micronutrientes, que são geralmente de baixo custo. Estes hábitos, junto com uma baixa atividade física, resultam em um aumento acentuado da obesidade infantil, enquanto os problemas de desnutrição continuam por resolver.

                                                          

AUTORES PROSPECTIVOS 
Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930 

Como Saber Mais:
1. No mundo, ocorre um aumento da ingestão de energia através de alimentos que são ricos em gorduras, sal e açúcares, mas pobres em vitaminas, minerais e outros micronutrientes...
http://drcaiojr.site.med.br

2. Diminuição da atividade física como um resultado de natureza cada vez mais sedentária de muitas formas de trabalho, novos modos de viajar e crescente urbanização...
http://colesteroltriglicerides.blogspot.com/

3. Não é raro encontrar desnutrição e obesidade coexistindo em um país, uma comunidade ou uma casa...
http://esteatosehepatica.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.



Referências Bibliográficas:
British Journal of Diabetes e Doença Vascular. 2011; 11 (2) :55-61. © 2011 Sage Publications, Inc.,Robert Hegele, Universidade de Western Ontário, no Canadá, Rabbani N, (Universidade de Warwick, Reino Unido); L Godfrey, Xue M, et al. Glicação das LDL pelo aumento metilglioxal aterogenicidade arterial. Um colaborador do possível aumento do risco de doenças cardiovasculares na diabetes. Diabetes 2011; DOI: 10.2337/db11-0085; Godfrey L, M Xue , Shaheen F, M Geoffrion, R Milne, Thornaley PJ. Adotado pela Assembléia Mundial de Saúde em 2004, a Estratégia Global da OMS sobre Dieta, Atividade Física e Saúde explica as etapas necessárias para apoiar uma alimentação saudável e atividade física regular.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17


Seguir no Google Buzz


23 de outubro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: COMO EVITAR A OBESIDADE INFANTIL POIS SE NÃO TOMARMOS ATITUDES URGENTE AGORA,

IREMOS TER PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE, ADULTOS COM VIDA MENOS LONGA DO QUE A GERAÇÃO EM QUE VIVEMOS ATUALMENTE.

Medidas drásticas e agressivas sejam elas através de controle nutricional, exercícios físicos, estilo de vida, tratamento terapêutico, não podemos relevar ou deixar em segundo plano os riscos do comprometimento que o aumento de peso, sobrepeso, obesidade podem nos causar ou causar em nossos filhos. Dietas nutricionais adequadas mais freqüentemente com todos os cuidados responsáveis necessário e balanceado não fará pouco para apoiar crianças ou adolescentes a descobrir ao longo da vida hábitos alimentares saudáveis. Dietas restritas geralmente pode parecer como punição, especialmente para os jovens mais jovens, mas eliminar os alimentos da sucata a maioria de todos (as guloseimas que são um grande desastre) e a criação de opções mais saudáveis ​​são positivas obtidas na na alimentação em nossas próprias residências ao invés de restaurantes “fast foods”, pode seguir um longo caminho para ajudar a diminuir a obesidade infantil e adolescente.
Muitas vezes, os médicos irão prescrever orientações dietéticas somente se uma criança ou adolescente está com obesidade mórbida e parece estar em perigo físico iminente. Isto não é verdade, em qualquer fase da vida pode comprometer a saúde através do aumento de peso, sobrepeso, obesidade. Em vez disso, a forma gradual de mudanças de vida, com perda de peso lenta mas constante é a melhor maneira de perder peso. Começando lenta realmente funciona bem para a introdução de uma variedade de formas de exercício na rotina também ao invés de efetuar uma caminhada longa ou passeio, tornando-se fisicamente exausto e prometendo em nenhuma maneira de tentar uma vez mais, as famílias devem tentar andar de bicicleta ou outras formas de atividades físicas agradáveis ​​durante quinze minutos ou mais, ou apenas passar o tempo efetuando caminhadas curtas ao redor do bairro em primeiro lugar.
A Tv pode ser desligado no decorrer do jantar, e ambas as crianças e adolescentes precisam ser incentivados a apoiar o plano e até mesmo a cozinhar refeições, tornando-o divertido para descobrir os como e os porquês de uma alimentação saudável pode realmente ajudar. Obesidade na adolescência, ela pode ser prevenida, se você começar a praticar uma alimentação saudável e hábitos de vida no início, e pode ser ajudado, mesmo que você está tarde para começar.

AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930



Como Saber Mais:
1. Nas últimas três décadas, o número de jovens que são obesos quase triplicou...
http://obesidadeinfantojuvenil2.blogspot.com/


2. Além disso, sobrepeso e obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) infantil, se não for tratada, pode levar até a idade adulta...
http://obesidademeninos.blogspot.com/


3. Ao invés de praticarem atividades fora de casa, as crianças assistem à televisão, jogam videogames, e se sentam em frente ao computador muitas horas ao dia...
http://queroemagrecermais.blogspot.com/


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.



Referências Bibliográficas:
Prof.Dr. João Santos Caio Jr, endocrinologista,neuroendocrinologista, Dra Henriqueta Verlangieri Caio, endocrinologista,medicina interna-Van Der Häägen Brazil – São Paulo –Brasil, Daniels, SR (2006, Primavera). As consequências de sobrepeso e obesidade infantil. O Futuro das Crianças, 16 (1), 47-67. Goran, MI, & Sothern, MS (2006) Manual de obesidade pediátrica: Etiologia, fisiopatologia e prevenção . Boca Raton: Taylor & Francis. Janssen, I., Katzmarzyk, PT, Boyce, WF, Vereecken, C., Mulvihill, C., Rodrigues, C., Currie, C., & Pickett, W. (2005). Comparação da prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças em idade de jovens de 34 países e suas relações com atividade física e hábitos alimentares. The International Association for Study of Obesity , 6, 123-132. Kumanyika, S. & Grier, S. (2006, Primavera). Direccionar as intervenções para a minoria étnica e população de baixa renda. O Futuro das Crianças, 16 (1), 47-61. Lindsay, AC, Sussner, KM, Kim, J., & Gortmaker, S. (2006, Primavera). O papel dos pais na prevenção da obesidade infantil. The Future of Children , 16 (1), 169-180. 


Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257 
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar – Conj. 121/122
Paraíso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/


Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br


Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Seguir no Google Buzz


20 de outubro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: SEGUNDO A OMS DESDE 1980 A OBESIDADE MAIS DO QUE DOBROU EM TODO O MUNDO GLOBALMENTE.

Desde 1980, a obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) mais do que dobrou em todo o mundo. Em 2008, 1,5 bilhão de adultos (com idade entre 20 anos ou mais) estavam acima do peso. Dentro deste grupo, mais de 200 milhões de homens e quase 300 milhões de mulheres eram obesas. Globalmente, mais de um em cada 10 pessoas da população adulta do mundo eram obesos. 65% da população vive em países onde o sobrepeso e a obesidade tira a vida de mais pessoas do que o baixo peso. Em 2010, cerca de 43 milhões de crianças menores de cinco anos estavam acima do peso. A obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral)pode ser prevenida. Sobrepeso e obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) são definidos como acúmulo anormal ou excessivo de gordura que pode ser prejudicial à saúde. O índice de massa corporal (IMC) é um indicador simples da relação entre peso e altura que é comumente usado para identificar sobrepeso e obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) em adultos.
É calculado dividindo o peso da pessoa em quilos pelo quadrado da sua altura em metros (kg/m2). A definição da OMS é a seguinte: Um IMC maior ou igual a 25 até 30 - determina excesso de peso - sobrepeso. Um IMC maior que 30 determina obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral). O índice de massa corporal (IMC) fornece a medida mais útil do sobrepeso e da obesidade na população, uma vez que é a mesma medida para ambos os sexos e para adultos de todas as idades. No entanto, deve ser considerado para a orientação, porque eles podem não corresponder ao mesmo nível de espessura e distribuição de gordura em pessoas diferentes. O Sobrepeso e a obesidade (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral) são o quinto principal fator de risco de morte no mundo.
Morrem a cada ano pelo menos 2,8 milhões de adultos como resultado de excesso de peso ou obesos (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central, visceral). Além disso, o sobrepeso e a obesidade apresentam 44% de risco de desenvolver diabetes mellitus, 23% de risco de desenvolver doença cardíaca isquêmica e entre 7% e 41% de risco de desenvolver alguns tipos de câncer. Enquanto o sobrepeso ea obesidade foram considerados há muito tempo um problema nos países de alta renda, agora ambos os transtornos estão aumentando em países de rendas baixa e média, especialmente em ambientes urbanos. Nos países em desenvolvimento estão vivendo cerca de 35 milhões de crianças com sobrepeso, enquanto que nos países desenvolvidos esse número é de 8 milhões. A nível global, o sobrepeso e a obesidade estão associados com um aumento do número de mortes. Por exemplo, 65% da população vive em países onde o sobrepeso e a obesidade matam mais do que o baixo peso (nesses países estão incluídos todos os de alta renda e mais os de renda média).


AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Em 2008, 1,5 bilhão de adultos (com idade entre 20 anos ou mais) estavam acima do peso. Dentro deste grupo, mais de 200 milhões de homens e quase 300 milhões de mulheres eram obesos...
http://drcaiojr.site.med.br

2. O índice de massa corporal (IMC) é um indicador simples da relação entre peso e altura que é comumente usado para identificar sobrepeso e obesidade...
http://colesteroltriglicerides.blogspot.com/

3. Além disso, o sobrepeso e a obesidade apresentam 44% de risco de desenvolver diabetes mellitus, 23% de risco de desenvolver doença cardíaca isquêmica e entre 7% e 41% de risco de desenvolver alguns tipos de câncer...
http://esteatosehepatica.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:

British Journal of Diabetes e Doença Vascular. 2011; 11 (2) :55-61. © 2011 Sage Publications, Inc.,Robert Hegele, Universidade de Western Ontário, no Canadá, Rabbani N, (Universidade de Warwick, Reino Unido); L Godfrey, Xue M, et al. Glicação das LDL pelo aumento metilglioxal aterogenicidade arterial. Um colaborador do possível aumento do risco de doenças cardiovasculares na diabetes. Diabetes 2011; DOI: 10.2337/db11-0085; Godfrey L, M Xue , Shaheen F, M Geoffrion, R Milne, Thornaley PJ. Adotado pela Assembléia Mundial de Saúde em 2004, a Estratégia Global da OMS sobre Dieta, Atividade Física e Saúde explica as etapas necessárias para apoiar uma alimentação saudável e atividade física regular.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

18 de outubro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: OBESIDADE, SOBREPESO, OBESIDADE ABDOMINAL -

A CAUSA DO GANHO DE PESO SE BASEIA EM UM BALANÇO ENERGÉTICO POSITIVO, OU SEJA, QUANDO AS CALORIAS CONSUMIDAS EXCEDEM AS CALORIAS GASTAS.

Conforme ocorre a inserção de classes menos abastadas como classes C, D, como consumidores em bens de consumo, principalmente em nutrição, mais fica comprometido os problemas de saúde, pois também aumenta o consumo de hidratos de carbono (açucar), farinaceos, e alimentação ultra refinadas, pois além de autamente energética, é mais barata para o consumidor o que aumenta o consumo quantitativo. Um dos problemas mais comuns associados com estilo de vida de hoje, é estar acima do peso. Sobrepeso e obesidade severa ou obesidade, obesidade intra – abdominal, visceral, ou central que é um fator chave para o desenvolvimento de muitas doenças crônicas, como doenças cardíacas e respiratórias, diabetes mellitus não insulino-dependente diabetes (incluindo diabetes tipo II), pressão arterial, alguns tipos de câncer e para a morte precoce. Novos estudos científicos e dados de empresas de seguros de vida têm demonstrado que os riscos de saúde causados ​​pelo excesso de gordura corporal estão associados com um aumento relativamente pequeno já no peso corporal, não apenas à obesidade caracterizada.
Obesidade e sobrepeso são problemas graves, que representam um fardo financeiro enorme e crescente sobre os orçamentos nacionais. Este é um estilo de vida mudanças sensíveis são largamente evitáveis. Obesidade (também conhecida como a obesidade ou obesidade) é muitas vezes referido simplesmente como uma condição na qual anormal ou excessivo acúmulo de gordura nos tecidos (tecido adiposo), o que leva a riscos para a saúde. A causa do ganho de peso se baseia, é um balanço energético positivo, ou seja, quando as calorias consumidas excedem as calorias gastas. Para mostrar às pessoas o seu peso saudável, um sistema de medição simples foi desenvolvido que mostra a relação entre o peso corporal e a altura do corpo chamado de Índice de Massa Corporal (IMC).
O IMC é uma ferramenta útil que é usado por médicos endocrinologistas, neuroendocrinologistas, e outros profissionais de saúde para diagnosticar a presença de excesso ou baixo peso, sobrepeso e obesidade em adultos. Ele é definido da seguinte forma: peso corporal em quilogramas dividido pelo quadrado da altura em metros (kg / m²). Como exemplo, um adulto que pesa 70 kg e tem 1,75 m de altura, tem um IMC de 22,9. Excesso de peso é definido por um IMC na faixa 25-29,9, em valores de 30 ou mais é chamado de obesidade. Normalmente, um IMC de 18,5-24,9 como "saudável", enquanto um IMC de 25-29,9 é equiparado a um "risco acrescido" para co-morbidades e um IMC de 30 ou mais "moderado a alto risco". Portanto, goste mais de você, se auto respeite, tome atitudes preventivas, esta é a palavra de ordem, se prevenir, pois não tenha duvida que vai terminar muito mau, sua intemperança.

INDEX BODY MASS 
<18,5, baixo 
peso saudável 18/05 a 24/09 
sobrepeso 25-29,9 ≥ 30 obesos

AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930


Como Saber Mais:
1.Em se considerando obesidade visceral, ou itra abdominal, pode desencadear o diabetes tipo 2...
http://drcaiojr.site.med.br


2. A adiposidade, gordura que se acumula na região intra abdominal ou intra visceral, é um tipo de obesidade relevante e principalmente a adiposidade visceral, aumenta o desenvolvimento de resistência à insulina e diabetes tipo 2...
http://colesteroltriglicerides.blogspot.com/


3. risco aumentado de diabetes tipo 2 e doença cardiovascular, é geralmente acompanhada de um acúmulo de gordura abdominal,visceral, relevante e (obesidade "central"), como indicado por um aumento da cintura: quadril relação é um risco independente para diabetes tipo 2
http://esteatosehepatica.blogspot.com


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:
British Journal of Diabetes e Doença Vascular. 2011; 11 (2) :55-61. © 2011 Sage Publications, Inc.,Robert Hegele, Universidade de Western Ontário, no Canadá, Rabbani N, (Universidade de Warwick, Reino Unido); L Godfrey, Xue M, et al. Glicação das LDL pelo aumento metilglioxal aterogenicidade arterial. Um colaborador do possível aumento do risco de doenças cardiovasculares na diabetes. Diabetes 2011; DOI: 10.2337/db11-0085; Godfrey L, M Xue , Shaheen F, M Geoffrion, R Milne, Thornaley PJ.


Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257 
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/


Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br


Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17


Seguir no Google Buzz


17 de outubro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A SÍNDROME METABÓLICA NA INFÂNCIA ESTÁ ASSOCIADA COM O PESO AO NASCER, OBESIDADE MATERNA, E DIABETES MELLITUS GESTACIONAL.


A OBESIDADE INFANTIL TEM CONTRIBUÍDO PARA UM AUMENTO DA INCIDÊNCIA DE DIABETES MELLITUS TIPO 2 E SÍNDROME METABÓLICA ENTRE AS CRIANÇAS, ESTA CONSTATAÇÃO FAZ COM QUE CRIANÇAS POR VOLTA DE 8 ANOS DE IDADE JÁ APRESENTE DIABETES MELLITUS TIPO 2 QUE É UMA DAS CARACTERÍSTICAS DA SÍNDROME METABÓLICA, UMA MOLÉSTIA GRAVE E SILENCIOSA, DIFICULTANDO O CRESCIMENTO ESTATURAL E INDUZINDO A OBESIDADE DESDE A FASE INFANTO JUVENIL, E ADOLESCENTE.

A exposição intra-uterina para do diabetes e tamanho ao nascimento são fatores de risco para o desenvolvimento do diabetes mellitus tipo 2, mas sua associação com síndrome metabólica na infância não foi demonstrada. Examinamos o desenvolvimento de síndrome metabólica entre os grandes para a idade gestacional e os adequados para a idade gestacional. Os principais componentes da síndrome metabólica (obesidade, hipertensão, dislipidemia e intolerância à glicose) foram avaliados num grupo de crianças com idades de 6, 7, 9 e 11 anos que foram grandes para a idade gestacional cerca de 50% das crianças ou adequados para a idade gestacional outros 50% das crianças filhos de mães com ou sem diabetes mellitus gestacional. Foram formados 4 grupos, ou seja, prole de mães controle, grandes para a idade gestacional, prole de mães com diabetes gestacional, adequados para a idade gestacional, prole de mães controle e adequados para a idade gestacional, prole de mães com diabetes gestacional.
As medidas biométricas e antropométricas (dos segmentos do corpo e da estatura foram obtidas com 6, 7, 9 e 11 anos. Os testes bioquímicos incluíram medições de glicose pós-prandial e os níveis de insulina e lipoproteína de alta densidade - bom-colesterol HDL) em crianças com 6 e 7 anos e de glicemia de jejum, insulina, triglicérides e níveis de bom-colesterol HDL, em crianças com 9 e 11 anos de idade. Nós definimos os componentes da síndrome metabólica como (1) obesidade (IMC> 85% para a idade), pressão arterial (2) diastólica ou sistólica> 95% para a idade, (3) nível de glicose pós-prandial> 140 mg/dL ou de jejum> 110 mg/dL, (4) nível de triglicérides > 95% para a idade, e (5) nível de HDL<5% para a idade. Não houve diferenças nas características basais (gênero, raça, status socioeconômico e ganho de peso materno durante a gravidez) para os 4 grupos, exceto para o peso ao nascer, mas houve uma tendência em direção a uma maior prevalência de obesidade materna antes da gravidez no grupo.
A obesidade (IMC> 85%) aos 11 anos esteve presente em 25% a 35% das crianças, mas as taxas não foram diferentes entre os pequenos para a idade gestacional e filhos adequados para a idade gestacional. Houve uma tendência em direção a uma maior incidência de resistência à insulina, definida como uma relação glicose/insulina em jejum de <7, no grupo pequeno para a idade gestacional /mãe obesa em 11 anos. A análise de resistência à insulina em 11 anos em uma regressão logística multivariada revelou que a obesidade infantil e a combinação de status de pequeno para a idade gestacional e obesidade materna foram associados com resistência à insulina, na razão de 4,3.

                                                    

AUTORES PROSPECTIVOS 
Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930 

Como Saber Mais:
1. A obesidade infantil tem contribuído para um aumento da incidência de diabetes mellitus tipo 2 e síndrome metabólica entre as crianças...
http://obesidadecontrolada1.blogspot.com

2. Os principais componentes da síndrome metabólica (obesidade, hipertensão, dislipidemia e intolerância à glicose) foram avaliados num grupo de crianças com idades de 6, 7, 9 e 11 anos que foram grandes para a idade gestacional cerca de 50% das crianças ou adequados para a idade gestacional outros 50% das crianças filhos de mães com ou sem diabetes mellitus gestacional...
http://gorduravisceral.blogspot.com

3. Houve uma tendência em direção a uma maior incidência de resistência à insulina, definida como uma relação glicose/insulina em jejum de <7, no grupo pequeno para a idade gestacional /mãe obesa em 11 anos...
http://controladaobesidade.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.



Referências Bibliográficas:
Boney CM, Verma A, R Tucker, Vohr BR. Fonte: Divisão de Endocrinologia Pediátrica e Metabolismo, Departamento de Pediatria, Brown Medical School e do Hospital Infantil Hasbro, Providence, Rhode Island, EUA.

Contato:
Fones: 55 (11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55 (11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17


Seguir no Google Buzz


14 de outubro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA – NUTRIÇÃO: O AUMENTO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE ESTÁ RELACIONADO COM O RISCO AUMENTADO DE DOENÇAS CRÔNICAS,

ENTRE ELAS A HIPERTENSÃO, DIABETES, DOENÇAS CARDIOVASCULARES E OUTRAS.

Muitas alterações nos hábitos alimentares têm sido observadas nas últimas décadas. A população está abandonando aos poucos a alimentação tradicional e adotando uma dieta ocidental do tipo fast food. Conseqüentemente, tem-se assistido a um aumento rápido e alarmante da prevalência de obesidade em adolescentes, o que acarreta um risco aumentado de doenças crônicas prematuras em idade pediátrica. Sabe-se, por exemplo, que o desejo de independência, a procura de identidade, a maior participação em atividades sociais ou um horário com pouco tempo livre podem contribuir para que o jovem tome um maior número de refeições fora de casa, omita refeições ou adote práticas alimentares desviantes, como o consumo de produtos de pastelaria refinada. Da adoção de comportamentos alimentares errados podem resultar prejuízos para o estado nutricional do indivíduo: aumento da prevalência de obesidade, dislipidemias, diabetes, gordura visceral. O excesso de gordura resulta de sucessivos balanços energéticos positivos, em que a quantidade de energia ingerida é superior à quantidade de energia despedida. Os fatores que determinam este desequilíbrio são complexos e podem ter origem genética, metabólica, ambiental e comportamental.
Uma dieta hipercalórica, com excesso de gorduras e carboidratos aliada a uma vida sedentária, leva ao acumulo de massa gorda. Há um maior acúmulo de gordura na região abdominal em resposta ao excesso de ingestão de energia e/ou à diminuição da atividade física. Esta gordura visceral, localizada no interior do abdômen, está diretamente relacionada com o desenvolvimento da resistência a insulina, responsável pela síndrome metabólica associada à obesidade. O aumento da prevalência, embora associado a fatores genéticos, deve-se, principalmente, à mudança de comportamentos, tais como o consumo de comidas rápidas, de bebidas gaseificadas/açucaradas e a diminuição da atividade física, uma vez que as alterações genéticas possíveis de explicar tais variações, ocorrem muito lentamente. Os fatores genéticos parecem ter um papel fundamental na determinação da susceptibilidade individual para a obesidade, mas não explica, por si só, o aumento da prevalência de obesidade.
Em muitos casos, o adolescente obeso adquiriu hábitos alimentares inadequados na infância, comendo enquanto vê televisão; acaba por sentir necessidade de comer fora dos horários das refeições; há perda da disciplina e do padrão alimentar estabelecido, omitindo ou substituindo refeições por lanches. A promoção de regimes alimentares saudáveis e da atividade física contribui para diminuir a obesidade. De um modo geral, uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos permitem melhorar consideravelmente a qualidade de vida. Uma alimentação equilibrada na adolescência, não só satisfaz o aumento das necessidades nutricionais durante este período, como também estabelece e reforça os hábitos alimentares para toda a vida.



AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930



Como Saber Mais:
1. Uma dieta hipercalórica, com excesso de gorduras e carboidratos aliada a uma vida sedentária, leva ao acumulo de massa gorda.
http://obesidadecontrolada1.blogspot.com

2. Uma alimentação equilibrada na adolescência estabelece e reforça os hábitos alimentares para toda a vida.
http://gorduravisceral.blogspot.com


3. A adolescência é um período complexo e de considerável risco para a saúde...
http://controladaobesidade.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Referências Bibliográficas:
Pereira B.; Condessa I.; Carvalho G. S.; Cunha C.; Pereira V. Actas do Vº Seminário Internacional/IIº Ibero Americano de Educação Física, Lazer e Saúde, Maio, 2009.

Contato:
Fones: 55 (11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55 (11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps: 

13 de setembro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: O ÍNDICE AVASSALADOR QUE TEM SE PROJETADO QUANDO RELACIONAMOS O SER HUMANO COM O SOBREPESO, OBESIDADE, OBESIDADE INTRA- ABDOMINAL, VISCERAL OU CENTRAL,

TEM UM ASPECTO DE TSUNAMI ANUNCIADO, QUE DIFICILMENTE SERÁ FÁCIL CONTROLAR.

ATÉ PAÍSES POBRES COM ALGUMAS EXCEÇÕES, PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO, E PAÍSES DESENVOLVIDOS, ESTÃO SENTINDO O PESO DE SUA POPULAÇÃO, EM SE TRATANDO DE AUMENTO DE MASSA CORPORAL (IMC). AUMENTO DE PESO, SOBREPESO, OBESIDADE, OBESIDADE VISCERAL, INTRA – ABDOMINAL OU CENTRAL ESTÁ AUMENTADO EM NÍVEL DE PESSOAS QUE JÁ APRESENTAM A OBESIDADE, APROXIMADAMENTE 10 % A MAIS EM SEUS NÍVEIS MUNDIAIS, ISTO É; SE A POPULAÇÃO MUNDIAL É DE 10 % SEGUNDO A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, ACRESCENTE-SE POR BAIXO 1% DE PESSOAS A CADA DÉCADA.

O choque existente entre a indústria de alimentos engordativos, muito mais poderosa e organizada, apresenta valores mais eficientes do que a indústria de fitness que vive à margem dessas poderosas indústrias de alimentos e fast-food engordativos. Além do que, é muito mais gratificante para a psique da maioria dos seres humanos receberem uma carga prazerosa de substâncias do prazer como a serotonina e outras, do que o autocontrole perseverante de efetuar exercícios físicos e todas as funções que mantém nosso corpo saudável. 
Queiramos ou não, ainda temos resquícios de nossa fase evolutiva de caçadores coletores primitivos, onde nos preocupávamos com a possível falta de alimentação reparadora de nossas energias, até mesmo a preocupação com a possível sensação de frio avassalador que atacava impiedosamente nas eras glaciais. Só precisamos nos conscientizar que esta fase já passou há mais de 12.000 anos, que embora em muitos casos esses genes mutantes ainda não nos deixaram, o mal que o peso aumentado, o sobrepeso, a obesidade, obesidade visceral, intra-abdominal ou central, está comprometendo nossas gerações no âmago de nossa saúde, levando-nos a doenças graves, silenciosas, irreversíveis, crônicas e hereditárias como a hipertensão arterial, (pressão alta), diabetes mellitus, principalmente a tipo 2 que representa 90 % dos diabéticos e está ligada à obesidade, obesidade visceral principalmente, ao aumento do câncer que também é mais frequente em obesos, as dislipidemias, como alterações do colesterol total, HDL colesterol (bom colesterol), desbalanceados, LDL colesterol (mal colesterol), Mgmin LDL colesterol ou ultra mal colesterol, mais frequentes em diabéticos, doenças cardiorrespiratórias e cardiovasculares, etc. Não é impossível que com o passar do tempo seremos envolvidos por nossas fraquezas , que nossos cérebros assim como o dos peixes possuem apenas 30 segundos de memória, e iremos acabar com o anzol dos alimentos inadequados e fast-food em nossas bocas.

AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.A flutuação de peso na fase fetal e neo-natal aumenta o risco de pressão alta e problemas cardiovasculares independente da síndrome metabólica tanto para o feto quanto para a mãe...
http://controladapressaoalta.blogspot.com

2.O sobrepeso vem aumentando em humanos de forma significativa a cada decada...
http://metabolismocontrolado.blogspot.com

3.A obesidade infantil interfere no crescimento infanto juvenil e repercute na fase adulta...
http://crescimentojuvenil.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:
Dr. João Santos Caio Jr, Dra.Henriqueta Verlangieri Caio – Van Der Häägen Brazil – São Paulo – Brasil. 2011
Int J Obes Relat Metab Disord
Dulloo AG, Jacquet J, JP Montani .
Departamento de Medicina Fisiologia
Universidade de Fribourg, na Suíça.

Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Seguir no Google Buzz